15 de jan de 2010

Primeiro Post de 2010 - Terremoto no Haiti e imagens falsas da tragédia.

Ainda estou de férias, mas aos poucos voltando à postar...

Estava em casa, fim da tarde desta 5a. feira, quando o Telefone toca, do outro lado da linha é o jornalista Valmar Filho, do Jornal A Tarde, de Salvador/BA.

Ele queria saber minha opinião como pesquisador sobre o que tinha ocorrido.

O que tinha ocorrido?

Vamos, lá: em meio a hiper-tragédia do Haiti (que se soma às tragédias políticas, humanitárias e sociais que o mesmo país tem passado), circularam fotos de outros terremotos. A confusão, segundo o jornalista da Tarde, é que as imagens foram repassadas por agências como oriundas de celulares de pessoas que fotografaram os acontecimentos no Haiti in loco.

Em meio à avalanche de imagens, haviam fotos dos terremotos da China que foram "plantadas". Alguns órgãos de imprensa caíram na mega-pegadinha. A Tarde, inclusive. Segue abaixo reprodução da primeira página, que ilustra os escombros resultantes dos tremores do Haiti com uma foto que, na verdade, é do terremoto da China, de 2 anos atrás.


Primeira página do jornal A Tarde de Salvador. 14.01.2010.
Foto do terremoto da China, de 2008, como sendo do Haiti, de 2010.


Minha modesta opinião: Esse tipo de problema se dá dentro de um quadro complexo. Primeiro, todos tem, atualmente, uma câmera no bolso, acoplada a um celular, que também é um dispositivo de internet. Monta-se assim, o circuito: imagens digitais circulam em espaços cada vez mais amplos, com mais rapidez e facilidade.

Segundo: a cultura das redações sempre foi impulsionada de modo à ver na velocidade com que se publica um fato, um valor-notícia. Reduzir ao máximo o ciclo de publicação, sincronizando aos acontecimentos é a própria razão competitiva do jornalismo. Ao se somar essa característica da imprensa à uma rede de dados hiper capilarizada e instantânea, temos outro ingrediente: ser rápido é, por vezes, tão importante quanto ser preciso.

Terceiro: o terremoto acontece em um mês geralmente fraquíssimo de notícias: Janeiro. Isso aumenta a relevância do fato e atenua ainda mais os cuidados necessários à pratica jornalística. Em outras palavras: checar informação em mais de uma fonte, fotográfica, inclusive, é procedimento cada vez mais recomendado em tempos de redes digitais, mobilidade, tempo real, onipresença.

Quarto: Fatos que ocorrem em locais distanciados colocam órgãos de imprensa em uma posição de dependência unilateral das agências de notícias e de imagens, como a Reuters, AFP, AP, etc. Fica muito difícil conferir a veracidade.

Montado o cenário, está explicado o que ocorreu. Solução? Ampliar ainda mais a formação e competências necessárias à formação de fotógrafos e jornalistas capazes de entender a extema complexidade da formação da cadeia de notícias atual.

NOTA: Este texto está sendo publicado apenas na 6a. feira, 15 de janeiro, respeitando o jornal A Tarde, que detectou previamente no dia 14.01 o ocorrido. Por isso acreditamos que, a prioridade do relato do engano, da respectiva correção, e publicação da errata cabe ao Jornal.

ATUALIZAÇÃO EM 16 de Janeiro. >> TEXTO DA TARDE:

Foto publicada na quinta-feira, (14/01), em incontáveis jornais e sites do Brasil e do mundo para ilustrar a matéria sobre o terremoto ocorrido na última terça no Haiti é falsa. A imagem, na verdade registra um sismo ocorrido em maio de 2008, na China. O material fotográfico foi distribuído pelas agências de notícias AFP e EFE e reproduzidas em meios de comunicação em diversos países. O autor da descoberta da fraude foi o jornalista Marcelo Rech, diretor da RBS – rede de comunicação gaúcha responsável pela edição do jornal Zero Hora, que publicou a fotografia na página 3 da edição de quinta. “Desconfiei da imagem e lembrei que tinha visto a mesma foto no Dailly Telegraph, em janeiro, numa matéria sobre o terremoto na China. Coloquei ‘Earthquake (terremoto) China’ no google imagens e estava lá”, disse. Rech conta que até quinta, à noite, diversos veículos, a exemplo dos respeitáveis Washington Post e Daily News, não haviam percebido o equívoco. Inúmeros jornais estamparam a foto na capa da edição de ontem, como o Diário do Comercio (SP), Hoje em Dia (MG), Diário de Natal (PB), A Tarde (BA), Ottawa Citizen (Canadá), El Mercurio (principal jornal do Chile). Outros publicaram a mesma foto com destaque em páginas internas, como Correio (BA) e Extra (RJ). A responsável pelo setor comercial da agência de notícias AFP, Magali Gonzalez, reconheceu que houve erro no envio da fotografia. Fonte: A Tarde.

Marcadores: , , , , , , , ,

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial